11 abril 2012

Ando como o tempo, marada.

Eu sou maijomenos como os últimos dias, uns dias cheios de sol outros cheios de nuvens, não há coerência nas minhas atitudes, nem nos sentimentos. Foi-se o padrão.

03 abril 2012

Curioso

É engraçado pensar que tenho para lá de 400 amigos no facebook, era suposto que a maior parte deles me  conhecesse, afinal são conhecidos, amigos e familiares, mas de facto sinto que os que me lêem aqui sabem muito mais do meu íntimo, do que sinto e penso, do que sou, do que os que só me apanham por lá.

23 março 2012

Não há inocência

Andava em busca de uma música, sim fazer o download de um mp3, para uma colega que quer fazer uma surpresa à irmã que casa este ano, quer cantar-lhe "that's what friends are for". Pediu-me e eu prontifiquei-me a tentar encontrar o que ela pedia. Bom, até aqui tudo bem, piratabay nada, vou ao torrentz, lá deve haver, não? Pergunto-me. E há, há um "that´s what friends are for" com não sei quem e ainda outra. Bom, penso, há tantas versões da música, até pode ser interessante. Até que leio, blá blá blá xxx. XXX? Elah! Este "that's what friends are for" é uma versão porn. Podia ter cancelado o download naquela hora. Afinal não é nada daquilo que eu quero, mas já agora uma pessoa espreita e fica a saber que raio de dueto fazem aqueles dois, coisa rápida, em modo curiosidade. Afinal, há tantas versões do "that's what friends are for", esta até pode ser interessante.


22 março 2012

O amor não tem hora para chegar.


O amor não escolhe dia nem hora. Não quer saber se faz chuva ou sol. Nem quer tão pouco saber que horas marcam nos relógios digitais, não ouve os analógicos, nem as badaladas do relógio da igreja. Anda por aí tanto no inverno como no verão, e pode, perfeitamente, chegar no primeiro dia de primavera. O amor gosta tanto de terças como de sextas, não tem preferência por nenhuma quinzena. Gosta de madrugadas, de nasceres e pores-do-sol, adora dias nublados e noites estreladas. O amor não tem hora para chegar.

Acredito nisso, ainda mais quando o meu mais novo, o Romeu, decide que as 4 da manhã são horas perfeitamente razoáveis para ele demonstrar o quanto me ama. Ele não quer saber se eu acordo às 8h.
O amor não tem hora para chegar, temos que aceitar.

19 março 2012

Galaxy

Vi isto, e agora?


Lá vou ter eu que rumar à Primark, e armar-me em artista nos tempos vagos, porque eu preciso de ter nos pés algo que mostre exactamente do que sou feita. De sonhos.
E parvoeira, vá, sonhos e parvoeira.

Isto pode parecer parvo

mas o blog é meu, por isso aguentem-se. Não entendo aquela preocupação tão grande sobre o que iria eu fazer no dia dos namorados, e hoje que é dia do pai ninguém me disse nada. É por estas e por outras...

09 março 2012

Só mais uma vez, os motivos.

Lisboa,
Paris,
Lisboa,
Londres,
Lisboa,
Madrid. E Lisboa, novamente para a semana.

(ahh e o facto de eu não ter -ainda- iPhone)

Eu sei, eu sei, eu sei.

Este espaço anda deveras descuidado e pouco actualizado, mas fui a Paris, depois meti-me num avião e fui a Londres, e agora, mais propriamente daqui a hora e meia lá voo eu a caminho de Madrid.

Depois, quando eu tiver de férias das férias venho aqui contar tudo. Ou então não. Mas seguro-vos que podem continuar a ler por este espaço dissertações sobre o tudo e sobre o nada, não pode é ser hoje, bem sei que fiz check-in online, mas não me convém esticar a corda. Lá vou eu ter com nuestros hermanos.

Ah, e não sejam invejosos, os low cost andam aí, sim?

Besos

21 fevereiro 2012

Battle in wonderworld

Dentro de mim, ainda bem que sou large, há uma pequena infanta. É complicado tentar explicar aquilo que sinto com o facto de estar quase quase a encher de beijinhos o Pateta. Sim, vou à Disney pela primeira vez na vida. Foi preciso esperar um quarto de século inteirinho para poder comprar uma viagem em low cost e enfiar os meus pézinhos de bacorinho naquele que é, para mim, o maior sinónimo de diversão e fantasia do mundo. 

Sinceramente, e colocando as coisas em perspectiva, não sei se iria ser tão feliz como se tivesse ido, como me foi prometido, quando passasse da 4 classe para o 5 ano, com apenas 10 anos. A verdade é que muitas das promessas não são para cumprir, agora sei bem disso. E tenho a certeza que o meu querido avô quando me disse isso acreditava mesmo que naqueles anos que ainda faltavam me ia poder proporcionar tal viagem. Ele deve ter-me dito aquilo talvez duas ou três vezes, e eu nunca me esqueci, e o facto de nunca ter ido só me fez ter mais vontade. O meu querido avô enquanto por cá andar, e espero que seja muito tempo, vai levar com a lembrança da promessa e sorrir. 

Nada impede, os sonhos são para realizar. Não fui com 10 anos, vou com 25, quase 26. E não faz mal, foi um tirinho de lá para cá. Vou com outra consciência, vou numa altura da minha vida em que divertir-me, apenas e simplesmente, não faz parte das tarefas básicas do dia. É mais um luxo que uma necessidade, infelizmente. 

Vou sentir que faço parte da mobília, como na Bela, ou ficar convencida que devia morar no palácio da Cinderela. Vou chegar cheia de certezas que o meu cabelo deve ter a mesma cor da Ariel (e já teve). Vou convencer-me que sou a Alice, umas das favoritas, independente (única que me lembro que não precisou de príncipe algum), destemida, curiosa e que vive no meio da insanidade (e das drogas, há que frisar), e mesmo assim, ou talvez por isso mesmo, sempre tão feliz e sonhadora. Sim, eu serei a Alice, pelo menos lá. Pelo menos na Disney.


Vou ser tão feliz.

14 fevereiro 2012

Valentine, valentine

Bem, e vou almoçar, ver se me esbarro com o puto gordo, also know as cupido.
Quem sabe não o encontro na fila das sopas...

07 fevereiro 2012

mais uma constatação sobre o valentine day

E o frio que está? Bom bom é ficar em casa a fazer o amor. Ou, em alternativa, de pijama, enrolada numas mantas, a ver séries de seguida enquanto bebo chá e como chocolates. É quase a mesma coisa. Isso sim é um belo programa. Agora jantares de encalhados... lame.

Valentines-less-ness


Aproxima-se mais um vez o dia dos namorados, e mais uma vez começam as questões sobre o que é que eu vou fazer nesse dia... Se tenho planos, perguntam alguns amigos, não vá eu ter um flirt daqueles que ainda não me ouviram falar, recorrente em mim nos inícios de "viagens". Outros assumem que estou sozinha e querem marcar jantares. A sério, começo a ficar irritada com essa mania que temos de ter alguém no dia dos namorados. Não temos, nem sequer é um dia mais importante que todos os outros. É certo que se houvesse alguém haveria uma mensagem mais picante, um banho a dois (houvesse casa), qualquer coisa simples e bonita que marcasse o dia mas que não o diferenciasse em termos de relação. Seria mais um dia de amor, só isso. Depois a minha recusa, ou a minha enorme explicação (isto foi um resumo) de como acho isso triste e ridículo, jantares entre amigos num dia que é suposto ser para comemorar o amor, acaba sempre por ser mal interpretado, quando é de facto tão simples.

Sinceramente não compreendo o porquê de quererem organizar jantares e saídas entre amigos, e brindar ao facto de sermos solteiros, sair de casa e mostrar que afinal até temos alguém com quem jantar nesse dia, como se tivéssemos que provar alguma coisa a alguém, quando de facto estamos sozinhos no que toca ao amor. Eu estou pelo menos. E de facto não estou nada ralada com isso.

In your face

Amigos são aqueles que perguntam como estás, e esperam para ouvir a resposta.

03 fevereiro 2012

Pequeno portátil

Há momentos em que agradeço o sobreaquecimento do meu portátil. É como ter uma botija de água quente nas pernas. Bom, bom.

Vida nova, layout novo!*

* sim, não faz qualquer sentido, era só para notarem que o blog mudou de aparência.

kiss kiss bang bang,
da vossa Miss B.

02 fevereiro 2012

ódios de estimação // música

Sou só eu que acho a Mafalda Veiga e João Pedro Pais lame? Não os posso ouvir. Não me venham com a beleza das letras, sabem lá o que é bom, quem os ouve não merece nenhum tipo de crédito meu. A tipa dos The Gift, está quase quase a marchar na mesma direcção. O que é aquilo?! Aquela voz de camionista pensa que consegue cantar amor? Não me parece. 


31 janeiro 2012

Aviso ao próximo dono do meu ♥

É bom que gostes de animais. Mesmo. Não me venhas com rebéubéus e merdas de alergias a gatos, vais logo de carrinho.

30 janeiro 2012

tenho o dedo podre

Não sei escolher caixas no supermercado. Olho, vejo o que as pessoas têm no carrinho, nos cestos, quantas pessoas faltam e escolho a fila. Sinto que estou a ser muito mais esperta que aquela cambada toda que lá anda. Mas não. Em menos de nada vejo que escolhi aquele tansinho que quase lê os ingredientes de tudo o que passa. E é o fim da picada. Eu bufo e mando-lhe os meus olhares de mazona. Ou então é a tipa da frente que leva uma cena que não passa no leitor! Olho à minha volta e começo a perceber que se me tivesse metido na fila da direita ou da esquerda já estava despachada, a espaços. Irrita-me. Tenho um problema com escolhas. O meu dedo é podre, escolhe sempre mal, até nos supermercados.

Love is all around


24 janeiro 2012

facto

Se não tivesse deixado o que era seguro nunca teria descoberto, realmente, o que é amar.

20 janeiro 2012

Sim, nem tudo é mau.

Pronto, posso não ter tantas tantas coisas como gostaria, mas:

a) tenho novos amigos;

b) tenho amigos que já são velhos;

c) tenho quatro viagens marcadas para o primeiro trimestre deste ano,
com amigos velhos e com amigos novos.

caralhinho

Ele há gente chata, chata, chata... Cansativa. 


Chato: Por acaso sabes alguma coisa sobre a lei da efectividade no posto de trabalho?
Eu: nada, não sei nada. (bocejo)
Chato: Acho que mudou. Aumentou.
Eu: Como te digo, nao sei nada sobre esse assunto. (ai, ai... bocejo)
Chato: Ok, e n tens interesse?
Eu: Não.
Chato: Antes podias renovar 3 vezes, à 4ª ficavas efectiva...
Eu: De facto, no momento não sei nada sobre leis de efectividade, e nem me interessa saber.
Chato: Mas prejudica-te!
Eu: (...foda-se...)
Chato: Certamente que sim. Em 2011 se renovasses 4 x´s ficarias efectiva
em que empresa fosse. Agora já não,prejudica-te, não instantaneamente mas a médio prazo.
Eu: (Se sabes tudo caralhilho, o que é que queres saber!?!?! Foda-se)

A sério, ele há gente chata, chata, chata... 

tintados de tinto

Por mais que afirme às autoridades que não bebi nada, os meus lábios,
pigmentados do tinto, denunciam-me sempre.

19 janeiro 2012

Guilty pleasure a.k.a. TLC


Será que sou só eu que tenho 80% das vezes que a televisão está ligada no TLC? E se não sabem o que é nem tentem ver, estou como a Rachelet que diz que aquilo é cristal meth.

Há alguns meses que me viciei no canal, aquilo entrou e já não passo sem a ver fazer bolos de metro e muito. Bebo cházinho enquanto as mob wives arrancam cabelos e se chamam de bitches de forma quase familiar e carinhosa umas às outras. As criancinhas com, vulgo, placas na boca, perucas com mau ar, vestidas tipo prostitutas manhosas ou vá, em alternativa, com um estilo Fanny a desfilar numa especie de concurso de beleza. As polícias de Maricopa County com ar de labregas e os seus casos igualmente labregos, carregados de droguilhas fraquinhos, putos com 16 anos que conduzem mas que levam cervejas no carro e mais louco, ou então não, o red neck que mijou na mulher. E as que desconheciam o facto de estarem grávidas? Lindo, repito, lindo, é que deixam de ter menstruação, mas ah e tal sou irregular, nunca fui certa, engordam uns quilinhos mas atribuem isso aos bolicaos que mamam pelas manhãs e ainda, extraordináriamente, fazem sexo. Mesmo assim o "bell não ringa". Um dia, são abençoadas com umas cólicas do diabo, e devem logo pôr-se a pensar na quantidade inacreditável de chocolates que ingeriram nas horas antes e nas misturas que fizeram, e um push para aqui outro para acolá e pronto, all a board! Criancinha ao mundo! E as casas atulhadas em "merde"? Fazem-me sentir como se fosse uma pequena princesa num enorme palácio imaculado. Enfim, um sem fim de razões para me sugar frequentemente, arrisco-me a dizer, diariamente.

Pior do que ter noção que o canal é uma grandessíssima bosta e altamente manhoso é sentir que aquilo começa a entrar em loop. Ou seja, já vi tudo o que havia para ver do TLC e aquilo já começo a ver apenas as repetições.

Tal qual como com uma droga, começo saudosamente a sentir falta das emoções das primeiras tomas do canal. Quanto tudo era novidade.

16 janeiro 2012

Não hoje, não agora.


Há demasiado tempo que volta e meia, quando eu menos quero e conto, pimbas, lá vamos nós bater com os cornos frente a frente. É uma luta de titãs, levamo-nos à exaustão de tanto que nos confrontamos. É raro haver braços torcidos, porque achamos que temos razão, afinal é o nosso ponto de vista e pouco vai mudar só porque o outro não vê o mesmo que nós. É doloroso, principalmente porque somos importantes um para o outro. Não é propriamente agradável, nem confortável a sensação de discussão. Mas nunca se resolve nada, porque nunca entendemos o outro, achamos que o outro é teimoso, e não vê o nosso ponto de vista, por mais que o outro tenha razão a nosso motivo de aborrecimento é muito maior.

Às vezes, quase sempre, questiono até a nossa amizade. Porque raio continuar com uma amizade, que por ter sido misturada de amor em tempos (quase todo o tempo), só nos faz sofrer. Ambos sabemos o nosso lugar, e tenho a certeza que é especial. Sei que tenho um T0 algures em ti, tu também o tens, isso é certo. Mas nunca foi o suficiente, pelo menos para mim. Nunca conseguimos dividir um T1, acabamos por ter sempre os nossos T0's, um lugar só nosso em cada um de nós.

Por mais que eu refile, e ache que devia sair de rompante da tua vida, a verdade é que isso não pode acontecer, porque para isso era preciso eu estar preparada e eu não estou. Não estive ontem, nem hoje, nem sei quando vou estar. Duvido até que tu estejas também. Apesar de achar que hoje já é diferente.

Sei que vou ter de te desalojar, mais dia menos dia, se quiser fazer move on. Nem que te empurre para um confim mais sombrio e húmido, numa metáfora a um sótão ou cave (nada de ideias pouco sensíveis agora), porque mesmo sendo tão diferente do que já foi, continuas espaçoso. Ocupas muito lugar na minha vida, demasiado para o papel que queremos ter na vida um do outro agora.

Admito até, que volta e meia, sou completamente estúpida, não acho que não tenha razão, simplesmente consigo ser, sei disso, completamente irracional e louca e até parva na maneira como abordo as questões. E sou impulsiva. Demasiado. Eu sei. Mas se sou o que sou é porque estou ferida. Ferida e ressabiada pela falta de amor. Por nunca conseguirmos ter o nosso pequeno T1 a dois. Porque sempre foi uma coisa minha ou tua, nunca nossa.

Por tudo isso, e mais, não cobres a minha amizade. Não agora. Não me cobres isso hoje. Amanhã talvez.





Yes, we are.

Essa é só a resposta que tenho que dar ao texto do Daniel. Há mais sonhadores, não, não és o único (vamos esquecer essa triste canção, sim?).

13 janeiro 2012

Habemus hostel

E pronto, descobri as maravilhas do MBnet, coisa completamente nova até hoje e agora é que eu digo que ninguém me para*. Somente quando já não houver dinheiro na dita conta. É isso meus amigos, para quem não tem cartão de crédito e andava sempre ó tio ó tio para comprar cenitas na net, isto é do melhor.



* escrito com o novo A.O.

11 janeiro 2012

Apaixonada, novamente.

E é só isso. Uma pessoa anda quieta, numa vida tranquila, e sai à rua e apaixona-se. Assim, sem mais, entra-me pelos olhinhos e enche-me o coração.

Cheira-me que é, apenas, mais uma paixão que não vai dar em nada, como tantas outras na minha vida, infelizmente. Mas posso dizer, hoje os meus pequenos olhinhos brilharam como não brilhavam há muito. Hoje... hoje suspirei.





05 janeiro 2012

Há coisas fantásticas, não há?

E pronto, descobri um lugarejo encantado no mundo cibernáutico. A Arqueolojista. A ver vamos.

O senhor Cassiano, vulgo um cheirão velhote, e a sua sapataria.







A casa das Águas, a loja de 1907 que vendia o invendível... copos de água.





A Barbearia Campos



Carlos Guerreiro, o encadernador e dourador







04 janeiro 2012

Cheirões, a ascendência


Bom, algo em mim atrai losers, sabem? Por norma cheiram a azeite, não sempre, porque há por aí muito labrego disfarçado. Um género de lobo em pele de cordeiro. Cheirões, infelizmente, há em todo o lado, facto que me tem deixado cada vez mais descrente no sexo oposto.

Ontem falava com um amigo de longa data, que tem uma namorada completamente psico (diz ele), mas facto é que ela faz o que tantas outras fizeram e fazem aos namorados. Ele diz que ela não pode vê-lo a mexer no telefone que lhe pergunta no imediato quem é. Eu justifiquei-a, talvez porque sei que já o fiz, aqui e ali, e compreendo em certa parte. Disse-lhe que ela só o faz porque sabe como são os homens. E que não era um ataque, não era, mas a verdade é que há homens que vivem para seduzir, e não sabem estar de outra forma, há os abutres ou as águias, reportando a este texto. Enfim, eles andam por norma a pairar em cima de tudo o que é tipa. E mais, ela faz isso porque sabe que isso acontece, porque aposto que é abordada frequentemente por cheirões, ela é que não lhe diz. Mas é. A insegurança que ela tem e sente não é, provavelmente, por nada que ele tenha feito, mas sim por algo que ela tem experienciado ao longo da vida dela.

Ainda agora, há minutos, estava eu a ver cenas online (sapatos), eis se não quando recebo uma mensagem no facebook de um tipo que, pasmem-se, acha que eu tenho imenso perfil para pousar para desenhos. E quem é que quer desenhar-me? Precisamente, o mesmo tipo que é ilustrador, ou diz ele, deve achar que, porque tem uns 30 lápis de cor solúveis, tipo aguarela, numa caixa de metal toda bonitinha, é um grande artista. Ele deve ter algum fascínio por arte barroca, mas isso já sou eu a dizer. Enfim, mas engraçado do que isso é ele ter uma namorada, porque eu depois fui ver o perfil dele, e pronto, fotos com ela, e é amor para aqui, e querida para além, e corações e agradecem a quem diz que eles são um casal perfeito... Será que ela não lhe pergunta, também, quem é que lhe manda mensagens? Será que ele não recebe mensagens de umas possíveis "musas"? Enfim, posso com isto tudo, e mais, que há mais, estar completamente descrente do amor?

Quem está no mercado, como eu, principalmente mulheres, aquelas parvas românticas em que eu não me quero encaixar, mas sei que pertenço, sabe o quanto é difícil sentir que é provável estarmos a ser completamente enganadas e ludibriadas, umas vezes é óbvio, outras vezes bom demais para ser real. Com o tempo começamos a exigir mais e mais, a acreditar menos, e a cada relação falhada vamos largando a nossa magia e fantasia, como se ficassem coladas a certos uns que nos magoaram e/ou enganaram. Eu estou, aos poucos e poucos, a largar toda a magia que tinha em mim, esperando que apareça alguém que eu sinta que faz sentido e que, à minha frente, me tire um coelho do coração.

Baixem os padrõezinhos

E é tão tão verdade, o que disse o Dexter, não o da série mas o do blog, num post que escreveu hoje sobre os padrõezinhos. Soa-me familiar. E é isso, meus meninos, vós que andais por aí a bradar aos céus falta de moça na vossa vida, observem se não andam, de facto, a pedir de mais.

03 janeiro 2012

19:19

Agora que toda a gente já se calou com o natal tenho a dizer que sou uma grande filha. Só posso, ora não é que a minha queria mãe me deu, não um, mas dois o.d.m. pelo natal!

Sou tão mais feliz com estes meninos no pulso. É ver-me aos beijinhos.